sexta-feira, 19 de julho de 2013

Metadado expõe segredos na web

Quando se está na internet, cria-se, mesmo sem perceber, dados que são a todo tempo recolhidos e analisados. Uma busca por um sofá no Google, por exemplo, ilustra a situação: logo depois, anúncios de móveis começam a saltar à tela do computador. Tudo acontece através dos chamados cookies de rastreamento, que estão armazenados nos navegadores de internet e recolhem as migalhas deixadas nos sites visitados. O monitoramento é interessante para a indústria da publicidade, que pode se aproximar mais efetivamente de seus clientes. Mas há também outros interessados nessas informações.


É aí que os metadados entram em jogo. Os metadados são informações fornecidas em determinados conteúdos na internet. Em fotos digitais, por exemplo, há informações sobre a câmera com as quais elas foram tiradas, a resolução da imagem e o número da foto. As novas máquinas inteligentes têm sistemas de monitoramento e podem mostrar onde as imagens foram captadas.

São exatamente esses dados que interessam aos serviços secretos quando eles monitoram o tráfego de e-mails. Quem escreveu o que, para quem e quando, por exemplo. Essas informações estão disponíveis nos metadados: remetente, endereço, data e através de qual servidor o e-mail foi enviado.

Especialistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) queriam saber o quanto se pode descobrir sobre um usuário quando se tem acesso a seus metadados. Em uma página chamada NSA Yourself (NSA você mesmo, em tradução livre), os usuários podem, através de suas contas do Google, ver o que os metadados revelam sobre o seu tráfico de e-mail. A resposta pode ser reveladora.

Pode-se determinar facilmente quantas vezes um usuário se comunicou com o outro, o que pode levar a conclusões baseadas apenas em com quem se está comunicando. Assim, um inocente pode levantar suspeitas só por estar no círculo de conhecidos de quem é realmente um suspeito. E isso sem se abrir ou ler qualquer e-mail.

Com as revelações feitas por  Edward Snow, ex-funcionário de uma empresa que presta serviços a CIA, o monitoramento de dados na internet entrou em evidência como um sério problema para a sociedade, em todas as partes do mundo. Embora muitos usuários argumentem que não têm nada a esconder, eles reconhecem que o fato de as autoridades poderem não só ler seus e-mails, mas também ouvirem ligações telefônicas, é preocupante.

“Em princípio é apenas uma coleta de dados. Então essas informações são colocadas em um programa que obtém todos os parâmetros. Isso tudo é feito com o uso de máquinas”, explica Jörg Bruns, especialista em tecnologia de informação.

Essas máquinas podem ver, por exemplo, que Osama bin Laden enviou 30 e-mails para Jane Smith (nome fictício) nos últimos dois anos. Bin Laden está morto, mas Jane Smith ainda está viva e essa é a informação interessante. Em seguida, o conteúdo dessas mensagens acabou analisado e nada foi encontrado. 

Existem programas que criptografam e-mails, mas eles são utilizados por poucos usuários da rede. Programas como TrueCrypt ou GnuPrivacyGuard são encontrados facilmente na internet, segundo o especialista Burkhard Schröder. O grande problema é que a criptografia dos e-mails só é possível se o emissor e o receptor utilizarem o mesmo programa de criptografia.

Silke Wünsch- Deutsche Welle

Nenhum comentário:

Postar um comentário